A região e os seus pontos de interesse

Viagem de Barco pelas Grutas
17 Março, 2018
Esculturas na Areia
17 Março, 2018

A região e os seus pontos de interesse

A região de Pêra está situada no município de Silves, o segundo maior concelho do Algarve, e está inserida numa área muito promissora na indústria do turismo.

Inserida numa zona de rara beleza paisagística, a região de Pêra é reconhecida também pela cultura das suas gentes, valências e apetências para receber bem os seus hóspedes.

Ao longo da sua longa história, esta pequena localidade tem inevitavelmente estado ligada a Armação de Pêra. Já no Séc. XVII, foi em Pêra que floresceu uma família de Galegos de onde saiu o governador da Fortaleza de Armação de Pêra, com o objetivo de preservar a região perante os assaltos dos piratas.

O município de Silves, surge num vale fértil onde predomina a imagem do seu castelo, cujas vistas sobre os campos são belíssimas, com origem desde o tempo de ocupação dos mouros. Silves prosperou sob o domínio dos árabes chegando mesmo a ser a sua capital no Algarve, com o nome Chelb, até os cavaleiros da Ordem de Santiago a conquistarem, em 1242.

No litoral, Armação de Pêra, originalmente uma aldeia de pescadores, tornou-se uma das mais populares zonas de férias da região Algarvia, repleta de vida onde se ressalvam a hotelaria, restauração e um conjunto de praias de inegável beleza. A vila de Armação de Pêra, nasceu da junção da zona de Pêra com o nome do aparelho de pesca com que os homens ganhavam a vida. De forma a proteger tanto a região piscatória com a região agrícola que ali surgiam, foram erguidas as muralhas de Alcantarilha e a fortaleza de Stº António, como outras vigílias por toda a costa. Longe vão os tempos da pirataria, ataques, mortos e desaparecidos, às centenas, no mar, hoje a vila é um importante centro de turismo.

A localidade de Pêra é por si só um ponto de interessa do território onde se destacam duas igrejas, a Paroquial, onde se destacam os azulejos historiados, e a de S. Francisco, um monumento do Séc. XVIII possuidor de um conjunto de telas de um conhecido pintor Algarvio, Rasquinho e de uma vista magnífica onde o mar e os campos se perdem de vista.

Alcantarilha, vila desde 1999, ergue-se duma colina que lhe oferece um aspeto pitoresco. O seu nome é de origem árabe, proveniente da palavra “Al-Qântara” que significa “ponte”. Assim, “alcantarilha” significaria – “a pontezinha”, inegável a influência árabe nesta região. Destacam-se a Igreja da Misericórdia, a Capela de N. Sr.ª Carmo, a Igreja Matriz e a sua Capela dos Ossos e ainda o conjunto agrícola da Quinta do Rogel, classificado e em vias de recuperação.

Algoz é uma pequena vila que tem também de ser considerada como património da região. Hoje a lutar contra a desertificação e o isolamento, apresenta alguns dos melhores exemplos da arquitetura tradicional e religiosa que sem dúvida merecem a visita. A Igreja Matriz, dedicada a Nª Sª da Piedade, é um excelente exemplo de arquitetura neoclássica e por toda a vila existem alguns bons exemplares de arquitetura popular com raízes no séc. XVI, XVII e XVIII, como é o caso do Celeiro do Monte da Piedade, e a Ermida de S. Sebastião, a Ermida de Nª Sª do Pilar e outros locais de interesse da região como o Poço dos Bois e a sua velha ponte, a Lagoa do Navarro e do Viseu, o sítio do Penedo Gordo, as grutas do Guiné (Algoz/Tunes), os restos de uma tradicional e importante indústria cerâmica.

Por ultimo, mas não menos importante, enaltecemos São Bartolomeu de Messines. Esta vila impõe-se nesta lista sobretudo através da Igreja Matriz, com o seu pórtico barroco de colunas torsas, e onde se destacam no seu interior as suas colunas de estilo salomónico, únicos exemplares algarvios que se conhecem. Ao lado, a Casa Museu de João de Deus, onde o poeta viveu, é um importante espaço aberto à Cultura em memória à vida e obra do poeta.

Este é um breve sumário da história da região da Pêra e são alguns dos vários locais mais importantes a visitar na zona, contudo o melhor, será sempre aproveitar o que esta região tem para lhe oferecer e saia à descoberta por si mesmo.